Características Gerais

Padrão FCI n. 61
Grupo n. 2, Pinscher, Schnauzer, Molossos e Boiadeiros Suiços
Tamanho Machos - 70 a 90 cm Fêmeas - 65 a 80 cm
Peso padrão não comenta
Pelagem mediana e espessa
Agressividade baixa
Aptidão pastor,companhia
Atividade
Espontânea
moderada
Área para criação grande
País de Origem Suíça

 

Clique para ver

 
Bernhardiner Sennenhund

É provável que o São Bernardo tenha se originado do cruzamento de cães nativos existentes na região da Suíça (antiga Helvetia) com raças pesadas de Molossos Asiáticos, trazidos pelo exército Romano durante os dois primeiros séculos D.C, na época da Invasão Romana.
Nos anos seguintes, esses cães eram amplamente usados em fazendas, tanto nos vales como nos Alpes, como cães de guarda, pastores e de tração.
Em torno de 1050 o Arquidiácono Bernard de Menthon fundou um famoso abrigo nos Alpes Suíços, destinado a servir de refúgio a viajantes que atravessavam a traiçoeira Passagem de São Bernardo entre a Suíça e a Itália.
Nesses abrigos esses cães ficaram famosos por seus trabalhos em resgates, como vigias do abrigo e também como companheiros dos monges durante os meses de inverno rigoroso, quando o abrigo ficava quase totalmente isolado. Esse isolamento resultou num inbreeding (acasalamento consangüíneo) que originou a distinta linguagem dos cães do abrigo.
Foi durante as solitárias viagens de caridade que os monges faziam acompanhados por seus cães que se descobriu que esses animais, com seu faro ímpar, encontravam pessoas perdidas na neve, devido a avalanches e tempestades. Estima-se que eles tenham salvo mais de 2000 vidas humanas durante os três séculos em que os São Bernardos foram usados em resgates no Abrigo.
O instinto natural e o treinamento dos monges faziam com que esses cães ao encontrar sobreviventes se deitassem sobre eles para aquecer seus corpos e lambessem suas faces para restaurar a consciência. No mesmo instante um dos membros da matilha se deslocava para o abrigo, para dar o alarme e guiar o pessoal de resgate para o local.
Em torno de 1800 "Barry" (talvez o mais famoso cão de resgate que viveu no abrigo), foi celebrizado por ter salvo 41 vidas em sua existência. Uma imagem do cão foi montada e hoje é preservada no Museu de História Natural de Berna. Em algumas partes da Suíça, a raça era chamada de "Barryhund" em sua homenagem.
Em torno de 1830, devido à consangüinidade os cães estavam ficando mais fracos e eram um pouco pequenos, por isso o cruzamento com cães Terranova que eram maiores e possuíam o mesmo instinto de resgate que os São Bernardos foi a opção encontrada. Desse cruzamento, que não afetou o tipo nem as características do São Bernardo, surgiu a variedade de pêlo longo.
Em 1887 em Zurich o Padrão Internacional para a raça, foi desenvolvido.

A única coisa que difere as duas variedades é a pelagem, que no Pêlo Curto é dupla, densa, com pêlo liso, macio e resistente. Coxas moderadamente revestidas e na raiz da cauda é mais densa e longa diminuindo em direção a extremidade, sem formar bandeira. Já no Pêlo Longo a pelagem é moderadamente longa, lisa ou levemente ondulada, sendo densa na cauda. Membros anteriores ligeiramente franjados e na coxa é abundante formando culotes.

A cor é branco e vermelho em várias tonalidades ou com predominância do vermelho sobre o branco. É desejável o colar totalmente branco.

A aparência geral é de um cão de porte grande, vigoroso, robusto, musculoso, de cabeça poderosa e expressão muito inteligente.

 


Voltar

 


Clique aqui.


Para retornar na sua pesquisa, clique no botão do seu Browser!